Estou me apresentando aqui nesta home page, mas minha vida não tem nada de digital, muito pelo contrário - sou completamente analógica.

Meu namorado Thomas está escrevendo um livro na Internet e prometeu que eu faria parte dele, desde que me apresentasse na rede. Me deu algumas lições, um endereço, e aqui estou, me decompondo em bits.


Uma mistura de anjo e demônio, habitante de um site analógico, que conseguiu fazer com que ele regredisse à minha idade - 17 anos - quando já tinha quase o dobro.



Desde o nosso primeiro encontro os dias começaram a escurecer mais cedo na minha vida, e muito cedo eu me vesti de solidão e me integrei na noite.

Todas as tardes, quando o sol se esconde por trás dos edifícios, penso em Thomas. Nessa hora sinto o horizonte sangrar em escamas de nuvens e escorrer por dentro de meu corpo.



Nesse dia o céu derramou um punhado de azul em seus olhos e as velhas ruas da infância terminaram todas nele. Prometeu que um dia me colocaria na sua vida e na sua história.



Sim, promessa cumprida. O nome do livro é Tristessa. Eu estou inteirinha lá.

E tudo começou apenas com uma troca de olhares, em uma aula de francês.



Sou modelo fotográfico e conheci o Thomas através da Fernanda, quando ela me fotografava em Paris.

Hoje desfilo pela vida com maquiagem pesada, roupas sombrias, olhos fundos e frágeis, como se estivesse vivendo a atmosfera decadente de muitos anos atrás, na qual minha mãe viveu, fotografou e desfilou.

Roberta, a publisher do livro do Thomas e ex-mulher do Alex, me acha uma imbecilóide por eu ser modelo e ela jornalista. Ela se acha intelectual, revolucionária, o máximo - o resto do mundo é formado por imbecis.

Mas a Fernanda me ensinou a gostar de gente como Artaud e Hesse. Em seu apartamento de Paris tem um grande poster de Artaud, vestido de monje beneditino, e uma porta de vidro espelhado, inspirada no Lobo da Estepe.



Acompanho a novela The Spot e gosto de ler os resumos de Melrose, para saber da história antes de passar por aqui. Visito com frequência o mundo da moda e das top models (dizem que eu sou parecida com a Eva Herzigova, em formato um pouco menor).

É claro que acompanho também o livro Tristessa, principalmente para saber o que vai ser feito de meu personagem, e a revista Passage, com a qual pretendo colaborar escrevendo alguns artigos, a convite do Passenger.



Estou muito preocupada com a história de Thomas na rede, porque sei que aquela é a sua própria vida, as personagens são as pessoas que convivem com ele e o final tem algo muito estranho, que não me agrada.

Existe um vazio e uma ausência de vida na cena final da praia que eu não entendo e também não gosto. Existe um cheiro de morte que me preocupa.



Bookmarks, perfume preferido, desodorante, novo design da home page, como perdi a virgindade, o último filme e mais todas aquelas perguntas babacas que jornalistas ociosos perguntam às modelos, ficam para mais tarde.

Apesar de ser nova na Internet, já saquei que tudo na rede está em construção.

Se quiser entrar em contato comigo, o meu e-mail é marcela@quattro.com.br.