Plano Insight Brincando em Praias Distantes

Quando naquela tarde vi a tua imagem refletida no espelho, sabia que apenas estava sendo adiada para mais tarde a loucura do nosso reencontro.

Quando à noite as nossas carnes se tocaram novamente, após tanto tempo, foi como se estivéssemos nos amando pela primeira vez. Dos nossos corpos suados e cheios de amor nasceu então uma certeza: acontecesse o que acontecesse, desta vez era definitivo.

Durante algum tempo tivemos ainda que buscar paz em outras estradas, beber água de outras fontes, andar no meio de gente estranha.

Como não conseguimos caminhar sobre as rosas que nos deveriam subir aos olhos e perfumar os nossos sonhos tivemos que procurar outros sóis, sorrir em outros mundos e brincar em praias longínquas, sem ninguém.

Quando tivemos fome fomos obrigados a superar distâncias para comer de outro pão, quando sentimos desejo fomos obrigados a curvar os nossos corpos em recusa - as pessoas queriam nos colocar dentro de uma moldura, para que nos tornássemos apenas paisagem.

Mas sabíamos que tudo isso era inútil, Joana. Um dia eles sentiriam vontade de cantar, como nós, e a música ficaria sufocada em suas gargantas, um dia eles sentiriam vontade de brincar e não se encontrariam - e então eles teriam que buscar retalhos em todas as partes do mundo, para reconstruir as nossas vestes que um dia rasgaram.

Foi tanta a espera, tantas as lágrimas derramadas nesse tempo, que um dia eles desistiram, e nós voltamos a caminhar entre os outros, simplesmente.